Atualidades para Vestibular e Enem – setembro de 2020


Setembro foi um mês que o Meio Ambiente esteve em evidência por conta das queimadas e incêndios criminosos no Brasil e Estados Unidos. Também foi um mês importante para a Ciência, com o desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus (covid-19) e a possibilidade de vida microbiana em Vênus.

Para saber mais sobre esses e outros assuntos que foram notícia em setembro de 2020, clique nos links para ser redirecionado para notícias do UOL, Folha, G1, Agência Brasil, BBC e textos do Brasil Escola.

BRASIL

Queimadas no Pantanal

As queimadas e os incêndios criminais no Pantanal atingiram recordes em setembro. Mais de 2 milhões de hectares já foram queimados em 2020 na região e, em relação a 2019, o aumento é de mais de 60%. Boa parte dos incêndios foi criminal e iniciou em fazendas, segundo a Polícia Federal.

O Governo do Mato Grosso decretou estado de calamidade na região. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o incêndio que destrói o Pantanal desde julho já é considerado o maior da história. Uma área 10 de vezes o tamanho das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo juntas já foi queimada. Milhares de animais, inclusive espécies em extinção, morreram.

Atualidades: Como as queimadas no Pantanal podem cair no vestibular

O Governo Federal vem sendo criticado por diversos países por omissão no combate aos crimes ambientais, incluindo a situação do Pantanal. O Ministério Público Federal (MPF) pede o afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por sua “política de destruição ambiental”. Segundo o MPF, “a permanência de Salles à frente do Ministério tem trazido consequências trágicas à proteção ambiental”. 

Como ministro do Meio Ambiente do Governo Bolsonaro, Ricardo Salles vem sendo acusado de proteger fazendeiros e grileiros que cometem crimes ambientais para lucrar com o agronegócio e mineração. No final de setembro, Salles, por meio do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), aprovou a extinção de regras que protegiam manguezais. No entanto, a Justiça suspendeu sua decisão.

Coronavírus no Brasil

O Brasil chegou a 143 mil mortes pelo coronavírus em setembro, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com 207 mil mortes. Pela primeira vez, o país entrou em estágio desacelerado da pandemia, exceto no estado de Goiás. Apesar da melhora do cenário, causa preocupação o fato de boa parte da população não estar seguindo as recomendações dos órgãos de saúde. Milhões viajaram no feriado de Dia da Independência e os casos de coronavírus aumentaram.

Brasil na ONU

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) causou polêmica por fazer afirmações que não condizem com a realidade. Sem provas, ele acusou ONGs índios e pelos crimes ambientais nas florestas brasileiras e a Venezuela pelo derramamento de óleo no litoral brasileiro no ano passado. Ativistas e parlamentares pediram ação da ONU contra o discurso.

Bolsonaro também afirmou que o Governo pagou cerca de 1000 dólares para 65 milhões de brasileiros com o auxílio emergencial, número muito superior ao realmente pago. O presidente aproveitou seu discurso para criticar as decisões sobre o isolamento social durante a pandemia que, segundo ele, “quase levaram o país ao caos social”.

Economia

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o Produto Interno Bruto (PIB) teve queda recorde de 9,7% no segundo trimestre em comparação com o primeiro. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda foi de 11,4%. A indústria foi o setor mais afetado pela pandemia, com queda de 12,3%. 

A maior responsável pela queda foi a pandemia de coronavírus, que exigiu medidas de isolamento social. No entanto, em abril o IBGE já havia divulgado que o PIB de 2019 foi menor que dos dois anos anteriores, o que mostra dificuldade do Governo em recuperar a economia.

Entenda o que é PIB

Dados do IBGE também mostram que o desemprego atingiu recorde no segundo trimestre: são 13,8% de desempregados. Isso representa mais de 13 milhões de brasileiros. O setor que mais demitiu durante a pandemia foi o comércio, com 2,1 milhões de pessoas demitidas.

Guardiões de Crivella

Uma reportagem da TV Globo mostrou que servidores públicos da Prefeitura do Rio de Janeiro impediam a imprensa de cobrir a situação dos hospitais da cidade. Eles se organizavam por meio de um grupo no Whatsapp chamado “Guardiões de Crivella”, uma referência ao atual prefeito Marcelo Crivella – que inclusive participava do grupo. Por causa do escândalo, a Câmara do Rio de Janeiro votou um pedido de impeachment contra Crivella, mas ele foi negado por 25 votos a 23. 

No entanto, no dia 24, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) tornou Crivella inelegível após condenação por abuso de poder político e conduta vedada. O motivo da condenação foi o uso de veículos oficiais da Companhia de Limpeza Urbana e reunião com funcionários da companhia apenas para pedir votos para o filho candidato a deputado federal. A decisão não impede o prefeito de concorrer este ano, mas pode tirá-lo do cargo, caso vença as eleições.

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

MUNDO

Incêndios nos EUA

Incêndios florestais também castigaram os Estados Unidos em setembro, deixando cerca de 30 mortos. O fogo, que destruiu uma área do tamanho do estado de Sergipe, atingiu vários estados da Costa Oeste, como Washington, Oregon e Califórnia. Os incêndios deixaram milhares de pessoas desabrigadas e cidades cobertas de fumaças.

Os incêndios nos Estados Unidos têm ficado mais fortes nos últimos anos, o que levanta discussões sobre o aquecimento global. O tema deve ser debatido nas eleições presidenciais, sobretudo porque o atual presidente, Donald Trump, nega as mudanças climáticas.

O que é aquecimento global?

Incêndios deixaram o céu laranja na cidade de São Francisco

Vacinas para o covid-19

Setembro começou com uma notícia preocupante quanto as pretensões de termos uma vacina contra o covid-19 em breve. Os testes da vacina desenvolvida entre a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford foram suspensos após uma suspeita de “reação adversa séria” em um participante do estudo. No entanto, dias depois os testes foram retomados. A chamada “Vacina de Oxford” é a aposta do Governo Brasileiro para imunização da população já no início de 2021.

Enquanto isso, a Rússia afirma que sua vacina Sputnik V é segura e que já está em fase final de testes, apesar da desconfiança de alguns cientistas. Os Governos do Paraná e da Bahia assinaram acordo com a Rússia para terem a vacina e esperam recebê-la em novembro ou dezembro.

Em setembro, alguns países anunciaram novas medidas de restrições. Entre eles estão Israel, Reino Unido e Espanha. Eles estão preocupados com a segunda onda de infecções, o que mostra que a economia do mundo depende das vacinas para voltar a crescer.

Vida em Vênus?

O planeta Vênus pode abrigar vida microbiana, segundo uma equipe internacional de pesquisadores. Eles detectaram fosfina nas nuvens de Vênus, substância que pode ser produzida por micróbios que vivem em ambientes sem oxigênio (anaeróbios). 

A fosfina (PH3) é uma molécula composta por um átomo de fósforo e três átomos de hidrogênio. Considerada tóxica, a substância é usada para o controle de pragas e produção de semicondutores. 

Vênus pode abrigar vida microbiana

Protestos em Belarus

Belarus, país da extinta União Soviética, vive uma série de protestos contra o presidente Alexander Lukashenko, há 26 anos no poder. Lukashenko é considerado o “último ditador da Europa” e é acusado de fraudar as eleições e perseguir opositores. No início do mês, a líder oposicionista Maria Kalesnikava foi sequestrada por policiais com a intenção de leva-la para a Ucrânia, segundo sua versão dos fatos. Ela conseguiu fugir pulando pela janela do carro.

Para tentar pressionar o fim da ditadura, o Reino Unido e o Canadá decidiram impor sanções contra o governo de Lukashenko. Países da União Europeia, como a França, também estudam formas de punir o governo do ditador. 

Envenenamento de líder da oposição na Rússia

Falando em países da ex-União Soviética, o Governo da Rússia é suspeito de tentar matar por envenenamento outro líder oposicionista. Dessa vez, a vítima foi Alexei Navalny, que chegou a ficar em coma. A ONU pediu que a Rússia investigue o caso.

Casos de envenenamento de opositores de Vladimir Putin ou de ex-espiões do governo russo não são raros. Putin está no poder desde 1999, se revezando entre os cargos de presidente e primeiro ministro.





Fonte

Com professores super atenciosos, o cursinho me abriu uma porta para o futuro e agora estou na melhor universidade do Brasil Rebeca Nilsen, aprovada na USP

Galileo Vestibulares | Área do Aluno

X