Conheça e entenda a triste realidade do Haiti


O Haiti é o país economicamente mais pobre das Américas. Possui problemas socioeconômicos semelhantes aos de algumas nações africanas, como o de acesso a serviços de saneamento a apenas uma pequena parcela dos domicílios, a população em sua grande parcela sofre com a desnutrição, possui baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e quase metade dos habitantes são analfabetos.

Além disso, o país sofre com desastres naturais, como terremotos e furacões, e é praticamente governado por milícias, inclusive teve o presidente assassinado recentemente.

De acordo com dados do Banco Mundial, o país viveu uma recessão de 1,9% em 2019. No ano passado (2020) isso se agravou, chegando a 3,8% em decorrência da pandemia de Covid-19.  

História do Haiti

O Haiti faz fronteira terrestre com a República Dominicana (a leste), estando localizado na porção oeste da ilha de Hispaniola, no mar do Caribe, na América Central. O país ocupa um território com cerca de 27.750 Km², área equivalente ao estado de Alagoas.

Antes da chegada dos espanhois, o território era habitado por nativos (índios). Estes foram escravizados e, depois, dizimados pelos europeus. Com o extermínio dos índios, africanos foram trazidos para serem escravizados.

Em 1697, com o declínio do império espanhol, o Haiti passou a ser controlado pela França. Em quase 100 anos, a economia da região se baseava praticamente no trabalho dos escravos negros, que eram a grande maioria da população: 500 mil contra 32 mil brancos. Essa superioridade foi fundamental para a Revolução.

Política

A abolição da escravidão ocorreu em 1794, e, em 1° de janeiro de 1804, o país obteve sua independência, sendo a primeira República Negra das Américas e o primeiro país latino-americano a conquistar a independência.

Contudo, logo depois o país passou por uma série de governantes ditadores e golpes militares, atuando com repressão e muita violência aos opositores. 

As primeiras eleições democráticas no país aconteceram em 1990. Desde então, o Haiti teve 14 presidentes, mas apenas três deles completaram o mandato de cinco anos. 

Em fevereiro de 2004, o Haiti passou a ter intervenção de forças militares da Organização das Nações Unidas (ONU), com o objetivo de tentar pacificar o país que estava à beira da guerra civil, sendo o Brasil o país responsável pelo processo de pacificação no território. A Minustah, missão que deveria durar meses, estendeu-se até 2017.  

Foi decidido pelo término da missão em 13 de abril de 2017, num processo gradual de remoção até o esvaziamento das tropas militares, que foi encerrado em 15 de outubro do mesmo ano.

Após 13 anos, as tropas da ONU conseguiram evitar conflitos de grandes proporções, mas a missão não conseguiu acabar com as grandes divisões políticas, que foram agravadas pelo quadro grave de miséria.

Presidente assassinado e milícias

O então presidente do Haiti, Jovenel Moïse, foi torturado e morto a tiros em sua casa, em Porto Príncipe, na madrugada de 07 de julho. Até o momento, as investigações apontaram, pelo menos, 26 detidos e dez foragidos, com envolvimento de cidadãos dos Estados Unidos, Colômbia, Equador e Venezuela. 

As autoridades prenderam o médico haitiano-americano Christian Emmanuel Sanon, de 63 anos, que mora na Flórida. Ele é acusado de ter contratado mercenários para derrubar e substituir o presidente Moïse, que já havia alertado em entrevista sobre a existência de um plano para acabar com sua vida.

A morte de Moïse agravou ainda mais a crise institucional em que o Haiti está vivendo. A oposição haitiana alega que o mandato de Moïse deveria ter terminado no dia 07 de fevereiro, cinco anos após a renúncia de seu antecessor, Michel Martelly. Mas, como a saída deste último foi adiada por um ano, Moïse insistia que deveria permanecer no poder até 2022 porque só tomou posse em fevereiro de 2017. 

Não pare agora… Tem mais depois da publicidade 😉

O governo de Moise prendeu 23 pessoas que, segundo ele, haviam tentado dar um golpe de Estado e colocar um ministro da Suprema Corte do país na presidência. O Haiti deveria ter realizado as eleições parlamentares em outubro de 2019, mas a falta de acordo as atrasou e Moïse passou a governar por decreto.

Já a Constituição haitiana estabelece que, na ausência do presidente, é o presidente do Supremo Tribunal Federal que deve assumir temporariamente o comando do país. Porém, o juiz René Sylvestre morreu de Covid-19 recentemente.

Enquanto isso, gangues tentam controlar as regiões mais populosas da cidade de Porto Príncipe com violência.

Desastres naturais

Em janeiro de 2010, o Haiti foi atingido por um terremoto de magnitude 7,0 na escala Richter, ocasionando na morte de mais de 120 mil pessoas. Na época, o país recebeu dinheiro para se reconstruir, mas os serviços públicos continuaram sendo deficientes e precários.

Recentemente, novas tragédias naturais assolaram o país. Terremotos de magnitude 7,2, 4,9 e 5,9 atingiram, respectivamente, o Haiti. Além deles, o ciclone tropical Grace também passou pela região deixando milhares de mortos e cenários devastadores.

O governo informou que mais de duas mil pessoas morreram, 12 mil ficaram feridas e mais de 30 desaparecidas. O ocorrido deixou no limite os hospitais, já sem muita estrutura, e os danos bloquearam estradas por onde são transportados suprimentos vitais para as vítimas.

Crise humanitária 

A economia nacional do Haiti é pouco desenvolvida e se baseia em atividades primárias. O principal produto de exportação é o açúcar, o país também cultiva manga, banana, milho, entre outros. Esse segmento da economia emprega a maioria dos haitianos.

Como se não bastassem todas essas dificuldades e tragédias, nos últimos meses o Haiti enfrenta também uma crescente crise humanitária, com escassez de alimentos e aumento nas taxas de violência.

O Haiti vem passando por uma crescente crise humanitária / Crédito foto: Serhii Mykhalchuk / Shutterstock

O PIB per capita do país é de US$ 1,6 mil por ano, o equivalente a R$ 8,5 mil. Em torno de 60% da população vive com menos de US$ 2 por dia, o equivalente a pouco mais de R$ 10.

Covid-19

A campanha de vacinação de Covid-19 nem começou no Haiti, o que preocupa a Organização Mundial da Saúde (OMS), já que no ano passado o país não enfrentou grandes problemas com a Covid-19, mas em 2021 o coronavírus passou a se espalhar de forma mais agressiva no país.

A testagem também não é eficaz, pois faltam testes e os números de infectados bem como de mortos pela doença que são divulgados não são confiáveis.

O que pode cair em vestibulares e Enem sobre o Haiti?

É importante entender e acompanhar os desdobramentos sobre as questões relacionadas ao Haiti, já que o tema e assuntos relacionados podem ser cobrados nos vestibulares e no Enem.

Fique atento aos seguintes temas:

 



Fonte

Com professores super atenciosos, o cursinho me abriu uma porta para o futuro e agora estou na melhor universidade do Brasil Rebeca Nilsen, aprovada na USP

Galileo Vestibulares | Área do Aluno

X