Dois coordenadores ligados ao exame pedem exoneração


Dois coordenadores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) que trabalham em áreas ligadas ao Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) pediram exoneração de seus cargos na última semana.

Eduardo Carvalho Sousa, coordenador de Exames para Certificação, protocolou seu pedido de demissão no dia 1º, e, Hélio Júnio Rocha Morais, coordenador da Logística de Aplicação, oficializou no dia 5.

Segundo servidores ouvidos pelo UOL, na condição de anonimato, os pedidos acontecem por discordância das decisões do atual presidente do Inep, Danilo Dupas, que não são consideradas de caráter técnico, e assédio moral por parte do chefe da autarquia contra os funcionários.

O UOL entrou em contato com o Inep, mas não obteve nenhum posicionamento. O espaço fica aberto para atualizações

Além do Enem, os coordenadores eram responsáveis pelo Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) e o Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultas).

A prova do Enem está pronta, no entanto, de acordo com os servidores, processos feitos durante e após a aplicação do exame podem ser prejudicados. A divulgação das notas, por exemplo, é um deles.

O cronograma para a edição de 2022 também deveria começar a ser feito nas próximas semanas.

As demissões ainda não foram publicadas no Diário Oficial, mas confirmadas por fontes para reportagem. O UOL também teve acesso aos pedidos de exoneração.

Diretoria responsável por Enem Digital está sem chefe

A Diretoria de Tecnologia da Informação do Inep, que tem entre suas responsabilidades o Enem digital, está sem um chefe oficial. No final de setembro, Daniel Miranda Pontes Rogério, que era o então diretor da área, pediu demissão.

Menos de um mês depois, o coordenador-geral de sistemas de informação, Humberto Mattos Carvalho, que havia sido anunciado como substituto de Rogério, pediu exoneração.

Em carta divulgada pela Assinep (Associação dos Servidores do Inep), a área está “sob o comando do servidor que ocupava uma coordenação na Diretoria, o qual atualmente exerce não apenas as atribuições desse cargo comissionado, como, cumulativamente, a de Coordenador-Geral e de Diretor”.

Servidores denunciam assédio moral e falta de decisões técnicas

Em assembleia organizada pela Assinep ontem, os servidores denunciaram assédio moral e de má gestão por parte de Dupas. Ele é o quarto presidente a assumir o órgão desde o início do governo Bolsonaro, e tem sido um dos mais criticados.

“A presidência do Inep não ouve sequer os ocupantes de cargos comissionados. Tampouco reconhece o trabalho realizado em cada unidade, apesar de servidores e colaboradores atuarem com zelo e responsabilidade. O medo é a tônica. Trabalhadores e chefias estão adoecendo mentalmente, em virtude da sobrecarga de trabalho e do clima desfavorável à realização segura das atividades altamente complexas do Inep”, diz carta divulgada pela associação.

Os servidores alegam ainda que as decisões de Dupas “demonstram que sua prioridade é resguardar seu CPF”.



Fonte

Com professores super atenciosos, o cursinho me abriu uma porta para o futuro e agora estou na melhor universidade do Brasil Rebeca Nilsen, aprovada na USP

Galileo Vestibulares | Área do Aluno

X