Saiba o que precisa ter na redação para ir bem


A redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) é, praticamente, uma prova dentro da prova. Ela acontece no primeiro domingo, dia 17. Para chegar à sonhada nota mil nessa parte do exame, é preciso duas habilidades principais: boa leitura e boa gestão do tempo.

O formato da redação do Enem é bastante conhecido, sendo claro o que se espera do candidato. Também não é preciso revolucionar a língua portuguesa para tirar uma nota alta.

Alunos que tiraram nota mil em anos anteriores lembram que é bem-sucedido aquele que se baseou na estrutura pedida pelo Enem e está familiarizado com esse formato. Esse treino faz o aluno encarar bem a prova, não importando qual seja o tema escolhido no próximo domingo.

O candidato deve fazer um texto em prosa, dissertativo-argumentativo e que, no fim, mostre uma proposta de intervenção social respeitando os direitos humanos e solucionando problemas relativos ao tema proposto.

O texto deve reconhecer o tema adequadamente (desviar totalmente do tema zera sua redação), propor e defender uma tese (uma opinião a respeito desse tema), com base em argumentos claros e consistentes, e finalizar com a proposta de intervenção.

São no máximo 30 linhas de texto e, no mínimo, sete (menos que isso também zera a redação).

A avaliação mira em cinco competências que o aluno deve desenvolver ao longo de todo o texto.

1 – Escrever de acordo com a norma culta

Ainda que a prova de língua portuguesa do Enem —e dos grandes vestibulares do país— reconheça e defenda a diversidade linguística do país, a redação deve ser escrita de acordo com a norma formal da língua portuguesa.

É essa competência que avalia se o candidato aplica corretamente as regras gramaticais na construção de um texto fluido, coeso e com bom vocabulário.

Vai ser avaliado o domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa e de escolha de registro. Desvios gramaticais ou de convenções da escrita serão aceitos somente como excepcionalidade e quando não caracterizarem reincidência.

2 – Desenvolver o tema corretamente e de forma bem articulada

É essa competência que vai avaliar se o candidato identificou o tema corretamente e soube desenvolver argumentos que dão consistência à tese defendida.

O tema é um recorte de alguma questão mais abrangente, e o aluno precisa ficar atento para não fazer um texto que apenas tangencie ou fuja da proposta de fato.

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) lembra que os textos motivadores servem para ajudar o candidato no desenvolvimento da sua própria argumentação.

É nessa competência que também é avaliado o repertório sociocultural do aluno, ou seja, a capacidade de mobilizar outras áreas do conhecimento para a construção da tese defendida.

3 – Argumentar com clareza e qualidade

A opinião desenvolvida no texto será avaliada também de acordo com a coerência dos argumentos escolhidos pelo candidato.

Aqui, o Enem vai avaliar a qualidade dos argumentos escolhidos e da própria argumentação, ou seja, a forma como as diferentes partes do texto se conectam e os sentidos estabelecidos entre elas.

Essa coerência entre as várias partes do texto mostram para o avaliador que o candidato planejou o texto e pensou numa ordem lógica de informações relevantes para o desenvolvimento da tese.

Fazer um projeto de texto antes de escrever a redação é essencial para estabelecer essa estrutura lógica, além de dar segurança ao candidato sobre o caminho a percorrer na hora de escrever de fato.

4 – Encadear bem o texto

O Enem ainda avalia a forma como o candidato encadeia o texto e a forma que o candidato escolheu para dar coesão a essas ideias.

Essa coesão deve ser feita pelo uso de conectivos que estabeleçam claramente o sentido entre as frases e parágrafos.

Esses conectivos são as escolhas de preposições e conjunções que vão deixar claras as intenções das partes do texto: se fazem oposição entre si, se são complementares, se são iguais, se concluem uma ideia etc. Ter um bom repertório dessas escolhas ajuda a aumentar a nota dessa competência.

5 – Propor uma intervenção

Por fim, e como conclusão também na prova de redação, o candidato deve fazer uma proposta de intervenção para o problema identificado e que se conecte com os argumentos usados ao longo do texto.

Mas atenção: o Enem exige respeito aos direitos humanos na proposta. Soluções que ferem esses direitos, como incitação à violência ou a defesa de discursos de ódio, receberão nota zero nessa competência.

Apesar do curto espaço de prova, uma boa proposta de intervenção é a mais detalhada possível. Quem deve executar a proposta, como e quais seus efeitos são informações que dão corpo à proposta e ajudam a aumentar a nota.



Fonte

Com professores super atenciosos, o cursinho me abriu uma porta para o futuro e agora estou na melhor universidade do Brasil Rebeca Nilsen, aprovada na USP

Galileo Vestibulares | Área do Aluno

X